Bolsonaro vê sua imagem derreter, e mundo passa a ter medo do Brasil

Bolsonaro vê sua imagem derreter, e mundo passa a ter medo do Brasil
01 junho 04:06 2020 Imprimir notícia
Mundo

O ex-ministro Rubens Ricupero descreve a imagem do Brasil no exterior, hoje, como "o lugar de que as pessoas têm medo"

 O americano Vincent Bevins, ex-correspondente do Los Angeles Times no Brasil, estava em São Paulo de passagem quando os números da pandemia explodiram.Iria começar uma turnê de promoção de seu livro sobre ditaduras, "The Jakarta Method" (PublicAffairs), mas tudo parou. "Era para estar viajando pelo mundo", lamenta, confinado na praça da República.

Começou então algo inusitado. "Familiares nos EUA e amigos meus na Ásia", onde esteve nos últimos anos como correspondente, "passaram a entrar em contato, perguntando se estou seguro, se o presidente está me ameaçando".

O ex-ministro Rubens Ricupero descreve a imagem do Brasil no exterior, hoje, como "o lugar de que as pessoas têm medo". Ou ainda, em sua primeira resposta ao ser questionado sobre o tema: "Seria o caso de perguntar 'que imagem?'. Como coisa positiva, acabou".

Seu colega de governo Itamar Franco, o ex-chanceler Celso Amorim, vai pela mesma linha. "Não há mais imagem. É a caricatura do Brasil no exterior. Só que a caricatura foi desenhada aqui dentro. E tem um certo rosto."

É o rosto do presidente Jair Bolsonaro. Para Ricupero, "já era ruim com o início do governo, mas com a pandemia isso se multiplicou, é o tempo todo, em todo lugar".Ele conta ter sido procurado na quinta-feira (28) por uma publicação de análise política de Bruxelas e na sexta (29) para falar a uma rádio de Buenos Aires, com temas como os ataques ao meio ambiente e as ameaças à democracia.

"Em resumo, não sobrou nada do que o Brasil tinha antes, se nós compararmos com aquela famosa capa do Cristo Redentor decolando no Economist, em 2009." Só ficou "o grau de atenção internacional ao Brasil, que se elevou muito", mas hoje com sinal contrário.No último mês e meio, saíram editoriais alarmados sobre o país, com a opinião institucional dos jornais, no Washington Post, Le Monde, Financial Times, El País e The Guardian. Em todos, o foco é Bolsonaro.

Para o jornalista americano Brian Winter, vice-presidente da Americas Society/Council of the Americas, organização voltada à política externa dos EUA, porém, a crise na imagem do Brasil começou antes.

"Eu acredito que o Brasil é admirado internacionalmente quando é próspero", diz ele, editor da revista da AS/COA. "Não é o caso desde pelo menos 2013. Portanto, o declínio de sua imagem antecede Bolsonaro por vários anos."

Winter afirma, por outro lado, que "não há dúvida de que a reputação sofreu impacto adicional em 2019 com os incêndios na Amazônia". "E agora os holofotes estão novamente no país devido ao manejo da pandemia por Bolsonaro."

O jornalista brasileiro Daniel Buarque, autor de "Brazil, um País do Presente: A Imagem Internacional do 'País do Futuro'" (Alameda, 2013), avalia que hoje "a imagem do Brasil é negativa, mas é especialmente negativa a imagem do governo Bolsonaro".

No caso da pandemia, "tudo é colocado na conta dele, e o Brasil é apontado até como vítima". Buarque, que prepara doutorado sobre o tema no King's College London, diz que em seus contatos com acadêmicos voltados ao país é comum diferenciar o Brasil de seu presidente.

"Se não acontecer nada radical até 2022, outro pode ganhar e começar tudo de novo", diz. "É uma imagem que pode ser limpa, zerada."Winter acha que a mudança pode vir antes. "A 'boa notícia' é que as memórias são muito curtas, especialmente na era das mídias sociais. Reputações podem ser rapidamente consertadas se as circunstâncias mudarem."

Karina Mariano, professora de relações internacionais da Unesp, não é tão otimista. "Uma coisa é certa, o papel do Brasil nestes últimos cinco anos encolheu muito", diz ela."Se a gente olhar a primeira década dos anos 2000, era um país que apontava como uma futura liderança internacional. Agora isso desapareceu. Agora a ideia é que estamos indo para trás."

Vincent Bevins concorda e vai além. "A reputação de país antidemocrático, governado por ditadores violentos, nunca desapareceu completamente", diz. "Em grande parte, a imagem é que o Brasil voltou a ser o que era, um país governado por militares perigosos e burros."

REPERCUSSÃO CHINESA

Celso Amorim e Brian Winter concordam quanto à provável reação chinesa ao noticiário intermitente de ataques de Jair Bolsonaro, seus ministros e filhos ao país."Eles são pragmáticos, não vão jogar fora o mercado", diz o ex-chanceler. "Minha impressão é que a China entende que este é um governo que fala grosso, mas é um parceiro disposto no comércio", afirma o jornalista americano.

Amorim alerta porém que, a partir de agora, "eles não vão fazer aquele extra quando você precisa". Cita como exemplo de vantagem desperdiçada pelo Brasil a forma como o país acabou "na vala comum" durante a concorrência global por equipamentos chineses contra a Covid-19.

"Era o país com parceria estratégica, era do Brics, então estava no topo da lista", diz. "Mas perdemos respirador para os EUA, que chegavam na beira do avião e pagavam mais."Ele lembra que o estabelecimento da parceria estratégia entre os dois países foi "por iniciativa deles", na visita do líder chinês Jiang Zemin ao Brasil, em 1993. Por outro lado, o ex-chanceler reconhece que é difícil distinguir como os ataques estão afetando a imagem do Brasil junto à opinião pública chinesa.

Para tanto, três brasileiros com formação em universidades chinesas, Júlia Rosa, hoje numa startup de Pequim, Lívia Machado Costa, que trabalhou na DiDi, dona do aplicativo 99 no Brasil, e Jordy Pasa, criaram o site Shumian para servir de ponte entre os dois países."A opinião pública chinesa é, para surpresa de muitos, diversa e cheia de nuances", descreve Costa. "Há o posicionamento da elite do Partido Comunista, muitas vezes traduzida em jornais privados, e também há o que se discute em plataformas como WeChat e Weibo, por vezes criticando o governo."

Entre os jornais, acrescenta Rosa, "até os estatais diferem entre si, na linha editorial". O Global Times ou Huanqiu, no original em chinês, adota "notoriamente uma linha mais dura e nacionalista", enquanto o Xin Jing Bao é "considerado um jornal bem independente". Foi assim que se propagou, em parte, a comoção com a morte do médico Li Wenliang, um dos primeiros a relatar casos do coronavírus em Wuhan.

Nos aplicativos WeChat e Weibo, Pasa relata não ter percebido "nenhuma movimentação em resposta ao recente tensionamento das relações sino-brasileiras".

Já na imprensa, Costa sublinha que o Global Times noticiou afinal as crescentes provocações do bolsonarismo à China, nesta semana, mas só quando chegou ao tema de Taiwan, província considerada rebelde.

"O jornal ressaltou que a política de 'uma China' é ponto vital para relações saudáveis entre o país asiático e qualquer nação do mundo", diz ela. Mais extensa e significativa é a cobertura crítica da Covid-19 no Brasil.

"Ao analisar o posicionamento sobre o Brasil nos dez maiores em circulação na China, jornais como o Nanfang Zhoumo focam a forma preocupante com que o país tem lidado com a pandemia", afirma Costa. "Mostram a pressa em reabrir comércios, a falta de alinhamento entre os governos federal e estaduais e a insistência com o uso de cloroquina."

Do ponto de vista da relação econômica, Rosa acrescenta que "a segurança alimentar foi marcada como um dos eixos de importância" no Congresso Nacional do Povo, realizado na semana passada.

 

PORTAL SBN| COM INFORMAÇOES (FOLHAPRESS)

Deixe seu comentário

SIGA-NOS

Rádio Online

Rádio Online

Últimas Notícias

  • Bahia
  • Espírito Santo

Bahia

Espírito Santo

As mais lidas do mês

SIGA-NOS

Rádio Online

Rádio Online

Últimas Notícias

  • Bahia
  • Espírito Santo

Bahia

Espírito Santo

As mais lidas do mês