Julgamento da morte de Tatiane Spitzner é adiado pela 3ª vez

Julgamento da morte de Tatiane Spitzner é adiado pela 3ª vez
11 fevereiro 11:10 2021 Imprimir notícia
Justiça

O júri popular de Luis Felipe Manvailer, acusado de matar a mulher, Tatiane Spitzner, foi encerrado após a defesa do réu abandonar a sessão, por volta de 12h40 desta quarta-feira (10/2). Os advogados alegaram ter o "trabalho cerceado" depois de uma decisão do juiz que não permitiu o uso de um vídeo como prova da defesa. Esta é a terceira vez que o julgamento é adiado.

Com a decisão, o júri - grupo de pessoas que iriam dar o veredito do caso - foi dissolvido. Desta forma, quando houver um novo julgamento, haverá novo sorteio para definir as pessoas que farão parte do júri popular. O juiz ainda definirá uma nova data para o julgamento.

Entenda o caso:

Tatiane Spitzner foi encontrada morta após cair do 4º andar de apartamento onde morava, em Guarapuava
Luis Felipe Manvailer nega ter matado esposa e não responde perguntas em depoimento
Imagens mostram agressões de marido a advogada antes dela ser encontrada morta
Julgamento foi adiado duas vezes
Inicialmente marcado para 3 e 4 de dezembro, o julgamento foi adiado para 25 de janeiro, após um advogado de defesa do réu ser diagnosticado com Covid-19.

A segunda remarcação do júri ocorreu após pedido da defesa do réu por incompatibilidade de datas.

Preso há dois anos e seis meses na Penitenciária Industrial de Guarapuava, Manvailer é acusado de homicídio qualificado - com as qualificadoras de feminicídio, motivo fútil e morte mediante asfixia. Ele também responde por fraude processual.

Abandono de sessão

O abandono da sessão aconteceu por volta de 12h40 durante o depoimento da primeira testemunha de acusação. A sessão havia começado por volta das 9h20, no Fórum de Guarapuava, na região central do Paraná.

Os advogados de defesa afirmaram ter "o trabalho cerceado" uma vez que o juiz não autorizou o uso de um vídeo da portaria do prédio onde aconteceu o crime como prova. O juiz afirmou que o material não consta nos autos do processo e negou que o vídeo fosse exibido.

Após 12 horas de julgamento, Justiça nega habeas corpus e mantém prisão preventiva de Luís Felipe Manvailer
STJ determina que Luis Felipe Manvailer responda pela qualificadora de motivo fútil
A defesa afirma que o vídeo "faz parte dos autos e está dentro da legalidade" e que teve "indeferido o direito de mostrar as imagens de tudo que ocorreu".

Apesar do abandono de sessão, Claudio Dalledone Júnior permanece como advogado do réu. Ele disse ainda que a defesa está "pedindo assistência da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB)".

Após a ação dos advogados, o juiz considerou "abandono injustificado de plenário" e aplicou multa de 100 salários mínimos a cada advogado da defesa e afirmou que a ação é "uma afronta ao processo, ao réu e à Justiça".

O advogado da família de Tatiane Spitzner, Gustavo Scandelari, afirmou que o ocorrido foi "uma manobra da defesa" e que é "uma postura lamentável porque gera prejuízo aos cofres públicos com toda a movimentação dos servidores, dos jurados, testemunhas e de todos os envolvidos".

Julgamento cancelado

Na manhã desta quarta-feira, Manvailer chegou ao fórum em um carro do Departamento Penitenciário do Paraná por volta das 8h30.

No local, familiares e amigos de Tatiane fizeram um protesto pedindo a condenação do réu.

O sorteio dos membros do júri popular abriu o julgamento, por volta das 9h20. Foram sorteadas sete pessoas para o conselho de sentença, ficando o júri formado por seis homens e uma mulher.

Manvailer entrou na sala do julgamento para acompanhar o depoimento das testemunhas de acusação e defesa.

Por volta das 10h50, começou o depoimento da primeira testemunha, de acusação, por videoconferência.

Foi durante o depoimento da primeira testemunha que a defesa abandonou a sessão.

Por conta da pandemia do novo coronavírus, o julgamento estava restrito para presença das partes envolvidas no processo.

Relembre o caso

Tatiane Spitzner foi encontrada morta na madrugada do dia 22 de julho de 2018. De acordo com a Polícia Militar (PM), houve um chamado informando que uma mulher teria saltado ou sido jogada de um prédio.Antes de ser morta Tatiane, imagens mostraram Manvailer agredindo a esposa.

A polícia informou que encontrou sangue na calçada do prédio ao chegar no local. Testemunhas disseram que um homem carregou o corpo para dentro do edifício. Conforme a PM, o corpo de Tatiane estava dentro do apartamento.

Luis Felipe Manvailer foi preso horas depois da morte da advogada, ao se envolver em um acidente na BR-277, em São Miguel do Iguaçu, no oeste do Paraná. A cidade fica a aproximadamente 340 quilômetros de Guarapuava, onde o crime aconteceu.

Durante uma audiência de custódia, Manvailer negou que tenha matado a esposa e disse que a advogada cometeu suicídio.

O acusado disse ainda que se acidentou porque a imagem de Tatiane pulando da sacada não saía da cabeça dele. Para a Polícia Civil, Manvailer tentava fugir para o Paraguai.

Em uma audiência de instrução, o acusado negou novamente que matou a advogada. Ele declarou que a família de Tatiane influenciou algumas testemunhas, que disseram na delegacia que haviam ouvido a advogada gritando durante a queda.

Segundo Manvailer, as testemunhas mudaram o depoimento nas audiências. No mesmo dia, o acusado preferiu não responder ao questionário feito pela Justiça e a audiência foi encerrada.

Luís Felipe Manvailer, professor universitário de biologia, era casado com Tatiane desde 2013, e o casal não tinha filhos.

PORTAL SBN | COM INFORMAÇOES DO G1

Deixe seu comentário

SIGA-NOS

Rádio Online

Rádio Online

Últimas Notícias

  • Bahia
  • Espírito Santo

Bahia

Espírito Santo

As mais lidas do mês

SIGA-NOS

Rádio Online

Rádio Online

Últimas Notícias

  • Bahia
  • Espírito Santo

Bahia

Espírito Santo

As mais lidas do mês