Setembro Amarelo: estudos mostram índices de suicídio estáveis na pandemia

Setembro Amarelo: estudos mostram índices de suicídio estáveis na pandemia
02 setembro 15:31 2021 Imprimir notícia
Estilo de Vida

Estudos publicados em 2021 sobre suicídio e coronavírus surpreenderam quem apostava que o primeiro dispararia em função da disseminação do segundo. De acordo com as pesquisas, não foi bem assim. O medo do contágio, o confinamento e as incertezas não levaram necessariamente a um maior número de mortes imputadas a si. Os suicídios, inclusive no Brasil, se mantiveram num patamar estável. Em alguns países, como a Austrália, até caíram.
Dados do Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2021, divulgado em julho pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, revelam que o número de suicídios no Brasil em 2020 foi de 12.895, com variação de apenas 0,4% em relação a 2019, quando foram registrados 12.745 casos. Os estados que apresentaram maior número, repetindo o ano anterior, foram São Paulo, Minas Gerais e Porto Alegre, nessa ordem. A tendência no país é de alta: em 2012, foram 6.905 casos.

“A pessoa numa crise suicida é altamente ambivalente e, em geral, não quer exatamente morrer, mas pôr fim a um sofrimento insuportável”, diz o psiquiatra José Manoel Bertolote. “Ao ser confrontada com uma ameaça concreta de morte, seu instinto de sobrevivência é mobilizado para lutar contra o novo inimigo”, acrescenta.
No início da pandemia, Bertolote conta que alguns pacientes seus com ideação suicida insistiram no tratamento online porque não queriam se expor ao vírus. Preservaram-se do perigo iminente e desconhecido. Uma primeira questão que fica é o que pode acontecer quando esse inimigo sair do horizonte, mesmo que aos poucos.

Bertolote, um dos idealizadores do Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio (10/9), que no Brasil deu origem ao Setembro Amarelo, está entre os que apostavam, com base em informações de situações críticas prévias semelhantes, que o aumento das taxas de suicídio no começo da pandemia era improvável. “Mas fiquei pregando no deserto”, afirma. “Mesmo depois de termos os resultados do estudo, várias pessoas resistiram em aceitá-los.”


Ele se refere à pesquisa feita em 21 países sobre tendências de suicídio nos primeiros meses da pandemia publicada na Lancet Psychiatry em abril deste ano. Professor voluntário na Faculdade de Medicina da Universidade Estadual Paulista (Unesp), coordenador da Rede de Proteção à Vida e responsável pela criação do Programa Global de Prevenção do Suicídio da Organização Mundial da Saúde (OMS), Bertolote se juntou a outros 69 pesquisadores nessa abordagem sobre o número de suicídios em 16 países de alta renda e cinco de renda média alta. Nestes últimos, incluíram o Brasil.
O grupo de cientistas concluiu que não houve aumento nas taxas de suicídio no espectro estudado, com a ressalva de que não foi possível expandir a análise para países de renda média e baixa, pois a maioria deles não tem sistema de registro de óbitos de boa qualidade nem coleta de dados sobre essas mortes em tempo real.
No próprio estudo, porém, os pesquisadores avaliam ser preciso atentar para o fator econômico. Lembram que muitos países promulgaram rapidamente iniciativas de apoio para amortecer as consequências econômicas da pandemia, mas que estas estariam sendo reduzidas ou retiradas em certas populações. À medida que o apoio expira, aqueles antes protegidos podem sofrer estresse crescente.

Caso precise de ajuda ou informações, procure o Centro de Valorização da Vida (CVV), que dá apoio emocional e preventivo ao suicídio. Ligue para 188 (número gratuito) ou acesse www.cvv.org.br.

 

PORTAL SBN | SISTEMA BRASILEIRO DE NOTÍCIAS

Deixe seu comentário

SIGA-NOS

Rádio Online

Rádio Online

Últimas Notícias

  • Bahia
  • Espírito Santo

Bahia

Espírito Santo

As mais lidas do mês

SIGA-NOS

Rádio Online

Rádio Online

Últimas Notícias

  • Bahia
  • Espírito Santo

Bahia

Espírito Santo

As mais lidas do mês