Socialite e bilionário Jeffrey Epstein faziam orgias com menores em "Ilha da Pedofilia"

Socialite e bilionário Jeffrey Epstein faziam orgias com menores em "Ilha da Pedofilia"
31 julho 15:12 2020 Imprimir notícia
Mundo

No processo em que acusa do príncipe inglês Andrew de abuso sexual, Virginia Roberts descreveu graficamente a participação em encontros com a herdeira milionária e socialite Ghislaine Maxwell - junto com outras meninas - em Nova York, Novo México, Flórida e França. Em testemunho de um processo de 2015 que foi revelado, Virginia também descreveu orgias com garotas e Maxwell em uma piscina e em chalés na ilha particular de Epstein no Caribe.

Ela alegou que Maxwell fazia sexo com meninas menores de idade "praticamente todos os dias" e estava com ela, descrevendo a socialite como tendo "seios naturais muito grandes". Os documentos - parte do processo que foi tornada pública por ordem de um juiz de Nova York na semana passada- apontam que Virginia Giuffre testemunhou Maxwell se envolver em "contato sexual" com meninas de 15 anos.

Em 23 de julho, a juíza distrital dos EUA Loretta Preska ordenou a liberação de grandes seções de mais de 80 documentos de um processo de difamação civil contra Maxwell de 2015 por Giuffre, que acusou Epstein de tê-la mantido como "escrava sexual" com a assistência da socialite. Maxwell, de 58 anos, é acusada de ajudar Epstein - que foi encontrado enforcado em uma prisão de Manhattan em agosto passado - a recrutar e eventualmente abusar de três garotas entre 1994 e 1997, além de cometer perjúrio ao negar seu envolvimento sob juramento. A socialite se declarou inocente das acusações.

Em um depoimento dado em maio de 2016, documentos mostram que Giuffre foi convidada a descrever qualquer mulher que ela viu Maxwell ter "contato sexual com" seus "próprios olhos". De acordo com os documentos, Giuffre respondeu: "Há tantos que eu não sei por onde você quer que eu comece" e foi solicitado a ela descrever as meninas. Giuffre respondeu: "Havia loiras, morenas, ruivas", mostram documentos. "Eles eram todas garotas bonitas. Eu diria que as idades variam de 15 a 21 anos".

Maxwell entrou com uma moção de emergência no tribunal federal de apelações em Manhattan na quinta-feira, procurando bloquear a liberação de dois documentos adicionais. Esses documentos incluíam um depoimento de abril de 2016 relacionado à sua vida sexual e um depoimento de um acusador não identificado de Epstein. Tornar público o depoimento, argumentaram os advogados de Maxwell, tornaria "difícil, senão impossível" encontrar um júri imparcial para seu julgamento. Dependendo de como o tribunal de apelações determinar, espera-se que dois depoimentos permaneçam em segredo até pelo menos segunda-feira.

Anexos aos materiais cobertos pelo pedido de 23 de julho da juíza Preska estão os registros de vôos dos jatos particulares de Epstein e os relatórios policiais de Palm Beach, Flórida, onde Epstein tinha uma casa. As interações por email entre Epstein e Maxwell também foram apresentadas nos documentos não lacrados na quinta-feira. De acordo com os documentos, um e-mail que Epstein escreveu em 25 de janeiro de 2015 para Maxwell dizia: “Você não fez nada errado e eu recomendaria que você começasse a agir dessa maneira. Saia para a rua, com a cabeça erguida, não como uma condenada. Vá a festas. Lide com isso".

A conversa seguiu um pedido de Maxwell, que estava romanticamente ligada a Epstein, para dar um tempo no relacionamento e manter distância do bilionário. Os documentos mostram que Maxwell havia escrito no dia anterior: "Eu apreciaria se Shelley aparecesse e dissesse que ela era sua amiga - acho que ela foi do final de 99 a 2002". Outro e-mail de Epstein para Maxwell, enviado dias antes em 21 de janeiro de 2015, parecia mostrar Epstein ensinando a socialite sobre como negar as alegações que envolviam seu nome". Um e-mail escrito por Epstein, mas que parece ser uma declaração a ser feita por Maxwell, dizia: "Desde que JE [Jeffrey Epstein] foi acusado em 2007 por solicitação de uma prostituta, fui alvo de mentiras, insinuações, difamações, fofocas e assédio obscenos. Manchetes compostas por citações que nunca dei, declarações que nunca fiz, viagens com pessoas a lugares onde nunca estive, férias com pessoas que nunca conheci".

A mensagem continua: "... falsas alegações de impropriedade e comportamento ofensivo que eu abomino e nunca participei, testemunha de eventos que nunca vi, vivendo de fundos fiduciários que nunca tive, participando de histórias que mudaram materialmente tanto no tempo quanto no evento, dependendo do papel que você lê e a lista continua". "Eu nunca participei de nenhuma ação criminal relacionada a Jeffrey Epstein”, conclui o texto.

PORTAL SBN | COM INFORMAÇÕES DA REVISTA MONET 

Deixe seu comentário

SIGA-NOS

Rádio Online

Rádio Online

Últimas Notícias

  • Bahia
  • Espírito Santo

Bahia

Espírito Santo

As mais lidas do mês

SIGA-NOS

Rádio Online

Rádio Online

Últimas Notícias

  • Bahia
  • Espírito Santo

Bahia

Espírito Santo

As mais lidas do mês