facebook twitter youtube instagram telegram whatsapp linkedin
Portal SBN
Quarta, 20 de outubro de 2021, 16:15:21

Jaguaré vai aderir ao projeto “Homem que é Homem”, da Polícia Civil

A solenidade de lançamento vai ser realizada no auditório do Cras – Centro de Referência da Assistência Social, às 10h30 e vai contar com autoridades do município e estaduais.
WhatsApp Telegram Facebook Twitter Linkedin
Norte Do Es - Jaguaré

A Prefeitura de Jaguaré, por meio da Secretaria de Assistência Social, Cidadania e Segurança Pública, em parceria com a Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social - Sesp, vai lançar no dia 08 de junho, o projeto “Homem que é Homem” coordenado pela Divisão Especializada de Atendimento à Mulher - Div-Deam, da Polícia Civil do Estado do Espírito – PCEES. A solenidade de lançamento vai ser realizada no auditório do Cras – Centro de Referência da Assistência Social, às 10h30 e vai contar com autoridades do município e estaduais.

Em Jaguaré, o projeto será coordenado pelo Creas – Centro de Referência Especializado em Assistência Social. A coordenadora do Creas no município, Nalu Rodrigues, destaca o caráter de prevenção do projeto. “O Projeto Homem que é Homem foi idealizado por assistentes sociais e psicólogos da Polícia Civil do Espírito Santo. Destacamos a importância da adesão ao Projeto, uma vez que o mesmo tem o objetivo reduzir a reincidência da violência doméstica e familiar contra a mulher”, afirmou Nalu Rodrigues.

O projeto “Homem que é Homem”, criado em 2015 e voltado para reflexão para homens autores de violência doméstica, tem o objetivo de reduzir a reincidência de casos de agressão de mulheres. O projeto foi uma iniciativa de psicólogas, assistentes sociais e delegas da Polícia Civil – PCES. No projeto, os homens autores de violência doméstica são convidados a participar de uma série de reuniões com a equipe de psicólogos e assistentes sociais da Polícia Civil, em que são apresentadas palestras e são debatidos temas voltados para a conscientização desses homens. O objetivo é fazê-los perceber o mau que há em ideias culturalmente machistas e preconceituosas, que levam à agressão de mulheres possibilitando resoluções pacíficas nos conflitos familiares.

PORTAL SBN | ASCOM