facebook twitter youtube instagram telegram whatsapp linkedin
Portal SBN
Quarta, 20 de outubro de 2021, 16:15:21

Monique Rocha lança clipe de exaltação ao povo negro e de luta contra o racismo

Cantora vai apresentar o videoclipe do samba “Sou Negro” no dia 13 de maio, data do aniversário do Museu Capixaba do Negro e da Abolição da Escravatura, considerado um dia de luta contra a discriminação racial.
WhatsApp Telegram Facebook Twitter Linkedin
Cultura - Musica

“Uma canção de amor e luta”: assim a cantora Monique Rocha define seu novo samba, “Sou Negro”, que terá videoclipe lançado na próxima sexta, dia 13 de maio, em seu canal do Youtube. A escolha da data da Abolição da Escravatura para a realização do evento não foi por acaso: considerado um dia de luta para o movimento negro, o 13 de maio é um momento de suscitar debates sobre o enfrentamento contra o racismo. A data marca também o aniversário do Museu Capixaba do Negro Verônica da Pas (Mucane), que foi um dos cenários das gravações do videoclipe, juntamente com o Morro da Fonte Grande.

No sábado (14), o videoclipe será exibido no encerramento do Encontro Estadual do Movimento Negro 2022, às 17h, no Auditório Manoel Vereza, no Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes).

 “Sou Negro é uma canção que fala da luta, do racismo, da escravidão, da autoestima, do amor, e da beleza do povo preto”, explica a cantora sobre a composição do parceiro Jean Carlos. A música foi lançada durante a pandemia da Covid-19, em 20 de novembro de 2020, no Dia Nacional da Consciência Negra. O intervalo entre os dois lançamentos serviu para amadurecer o conceito do vídeo e viabilizar a sua execução, uma vez que o projeto foi contemplado no Edital 007/2021 da Lei Aldir Blanc, por meio da Secretaria Municipal de Cultura de Vitória.

Realeza africana

Dirigido por Cintia Braga, o clipe retrata um casal da realeza africana em plena favela brasileira, mostrando suas ruas, suas vielas e seus contrastes. Interpretados por Monique Rocha e pelo compositor Jean Carlos, os personagens transitam no meio da mata, para transmitir a ideia de ancestralidade. “Mostramos através do clipe que os negros não são descendentes de escravos e, sim, de reis e rainhas”, destaca Monique.

Para representar a valorização da cultura afro-brasileira, o vídeo apresenta personalidades negras capixabas de vários segmentos, na área da educação, da política, da juventude, dos movimentos sociais, da diversidade de gênero e das artes. Entre os convidados estão nomes como a atriz Suely Bispo, Zilda Aquino, do Bar da Zilda, a professora e especialista em samba Iamara Nascimento, o acadêmico Gustavo Forde, o músico Fábio Carvalho, o ator Markus Konká, o rapper Sagaz Bicho Solto e a empresária Priscila Gama, entre outros. “Temos atores, poetas, intelectuais, cantores, bailarinos, personalidades do carnaval, pessoas do congo e do rap”, descreve a cantora. “São pessoas que fazem parte da minha trajetória como artista e outras por quem tenho grande admiração”, revela.

De fato, quem assistir ao videoclipe ficará impressionado com os cenários, a direção de arte de Rômulo Corrêa e a exuberância da indumentária do casal, fruto do Atelier Aguiar Marins e da estética de Ellen Cardoso. A composição, por sua vez, chama a atenção pela originalidade e pelo andamento cadenciado, que remete ao banzo do povo negro em função da violência histórica da escravização: “Este samba é um misto de influências. Tem um quê de ancestralidade e também um pouco de modernidade. É um samba diferente, original”, comenta Monique.

O videoclipe de “Sou Negro” integra o mais novo projeto de Monique Rocha, o show “Sou Negra”, que reúne repertório de sua autoria e de outros compositores capixabas, com base no tema “O Negro: sua história, luta e resistência”. Faz parte deste projeto o videoclipe do samba-congo “Dona Astrogilda”, em homenagem à Dona Astrogilda Ribeiro, a Rainha do Congo do Espírito Santo, lançado em fevereiro último, com apoio do Edital Setorial de Música 033/2019 da Secretaria de Estado da Cultura. “O show ‘Sou Negra’ vem para fortalecer esse momento artístico de produções de músicas autorais na minha carreira”, afirma a cantora.

  • CONFIRA:

Lançamento do videoclipe “Sou Negra”, de Monique Rocha

Quando: 13 de maio (sexta-feira)

Onde: no canal do YouTube da cantora

(https://www.youtube.com/user/moniquedarochaalves)

Projeto contemplado no Edital 007/2021 Lei Aldir Blanc/SEMC, por meio da Secretaria Municipal de Cultura de Vitória

Encontro Estadual do Movimento Negro 2022

Quando: dia 14 de maio (sábado)

Horário: 17h (encerramento)

Onde: Auditório Manoel Vereza, no Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas (CCJE) da Ufes

Realização: Unidade Negra Capixaba

 

  • FICHA TÉCNICA DO VIDEOCLIPE “SOU NEGRO”:

Produção Executiva

Monique Rocha

Produção

Jean Carlos e Rômulo Corrêa

Argumento

Monique Rocha

Roteiro e Direção

Cintia Braga

Direção de Fotografia

Adriano Monteiro

Assistente de câmera

Lucas Carvalho

Direção de Arte

Rômulo Corrêa

Figurino

Ilza Margotto

Adereço

Atelier Aguiar Marins

Beleza

Ellen Cardoso

Cabelo

Avivar

Fotografia Still

Thais Gobbo

Montagem e Colorização

Lucas Carvalho

Design Gráfico

Vinícius Mardegan

Assessoria de Imprensa

José Roberto Santos Neves

Artista

Monique Rocha

Composição

Jean Carlos

Músicos

Diego Lima (violão)

Wesley Marins (cavaquinho)

Jean Carlos (pandeiro)

Kaique Martins (percussão geral)

Marcão Gabriel (percussão geral) 

Produção Musical

Rodolfo Simor

Estúdio Musical

Estúdio Bravo

Elenco

Monique Rocha, Jean Carlos, Adriano Monteiro, Afronta Mc, André Moreira, Aroldo Rufino, Bruna Medeiros, Crislayne Zeferina, Fabio Carvalho, Felipa Souza, Gil Mendes, Gustavo Forde, Iamara Nascimento, Jaddy Meira, Jadson, Titanium, Jhon Conceito, Jocelino Junior, Leia Rodrigues, Markus Konká, Rayane Rosa, Rozi de Sá, Sagaz Bicho Solto, Sebastião Reis “Mestre Tião”, Starley Bonfim, Suely Bispo, Tony Nascimento, Valquíria Santos, Zilda Aquino

Cia Negraô

Andreza Santos, Fernando Queiroz, Guilherme Pimenta

Família Rocha

Winny Rocha, Ana Paula Rocha, Isaias Santana Rocha, Maria da Penha Silva

Família Gama

Priscila Gama, Junior Oliveira, Antônio Bento Gama de Oliveira, João Francisco Gama de Oliveira

Crianças

Miguel Araújo e Agatha Chepherd - Miss Mini Beleza Negra ES

Agradecimentos

Moradores Fonte Grande

Peterson Moura Rio BrancoRosemary Vitória Walcher Rio Branco, Sr.Antônio da Quitanda

Apoio

MUCANE - Museu Capixaba do Negro

Ubuntu Quitutes - Winy Fabiano

Maria Benedita de Souza

Projeto Trilhando pelas Fontes

  • SIGA MONIQUE NAS REDES:

Facebook: https://www.facebook.com/monique.rocha.391

Instagram: @moniquerocha.oficial

  • SOBRE MONIQUE ROCHA:

Natural de Afonso Cláudio (ES), Monique Rocha tem formação acadêmica em Artes Plásticas pela Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) e Qualificação Profissional em Teatro pela Escola Técnica Municipal de Teatro, Dança e Música (Fafi), tendo estudado também Canto Popular. Atua como atriz e cantora, tendo iniciado sua carreira no teatro em 2001 e sua carreira musical em 2007.

Em 2010 montou o grupo Fina Flor do Samba. Dois anos depois, lançou-se em carreira solo como cantora, com o espetáculo musical “Respeitem ao Menos os meus Cabelos Brancos”, em homenagem ao centenário de Herivelto Martins. A partir desse momento lança o Projeto “Samba da Antiga”, com repertório requintado de clássicos do samba.

Em 2015, inicia uma série de shows temáticos com o espetáculo “O Canto da Guerreira – Uma Homenagem a Clara Nunes”, apresentado com sucesso no Teatro Carlos Gomes e no Teatro Sesc Glória, em Vitória, e na Escola Sesc de Jacarepaguá e no bar Vaca Atolada, na Lapa (RJ).

Ainda dentro das comemorações dos 75 anos de Clara Nunes, em 2018 estreou o show “Clara: Sambas, Boleros e Canções”, ao lado da cantora Dorkas Nunes, com argumento e roteiro do jornalista e pesquisador musical José Roberto Santos Neves.

Outro show temático de sua carreira é “O Mar Marejou”, uma homenagem ao Dia de Iemanjá, apresentado desde 2016.

Em 2019, Monique Rocha estrelou o show “Sambas, Congos e Pontos”, um passeio pela musicalidade afro-brasileira, entre sambas que marcaram história, toadas do congo capixaba e cantigas de cunho afro-religioso.

Teatro e outros trabalhos

Dentro da proposta de mesclar teatro e música, Monique Rocha desenvolve desde 2008 o projeto de arte e educação “A História é Negra”, que conta histórias e fatos reais dos negros escravizados no Brasil, utilizando o teatro de fantoches, adereços e músicas de matriz africana.

Como atriz-cantora, fez parte da Cia. Makuamba por 15 anos, atuando em espetáculos teatrais contemplados por vários editais de cultura do Espírito Santo e por prêmios nacionais, entre os quais o espetáculo musical “Chico Prego”, premiado pelo Edital Miriam Muniz Funarte em 2015.

Em 2018 a artista foi convidada a integrar o Bloco Afrokizomba, o primeiro bloco afro da cidade de Vitória, para o qual compôs enredos com letras de cunho político e racial.

Desde 2018 lidera o Projeto Samba Pras Moças, composto por cantoras de renome no cenário capixaba, com o objetivo de reafirmar a importância das mulheres na trajetória do samba. Dentro dessa linha de atuação, desde 2019 coordena o “Encontro Nacional de Mulheres na Roda de Samba”, reunião de mulheres sambistas que acontece anualmente em várias cidades do Brasil e fora do país, onde se levanta a bandeira contra o machismo.

Em 2020 lançou a Semana Formativa em homenagem ao “Dia da Mulher Sambista”. Em fevereiro de 2022, a cantora lançou o videoclipe “Dona Astrogilda”, em homenagem à Dona Astrogilda Ribeiro, a Rainha do Congo do Espírito Santo, falecida aos 88 anos, em julho de 2021.

PORTAL SBN  | José Roberto Santos Neves