Mulher fica dependente de cilindro de oxigênio 24h por dia após ter Covid-19

Mulher fica dependente de cilindro de oxigênio 24h por dia após ter Covid-19
03 dezembro 15:05 2021 Imprimir notícia
Brasil

Há cerca de um ano, a enfermeira aposentada Vanessa do Nascimento viu sua vida mudar completamente ao contrair Covid-19. A moradora de Praia Grande, no litoral de São Paulo, já possuía a doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), que causa redução persistente do fluxo de ar, mas desde quando pegou o vírus, passou a precisar de um cilindro de oxigênio 24 horas por dia.

Ao g1, ela contou que não consegue mais sair de casa, e até para ir ao médico necessita de uma ambulância, para não deixá-la sem oxigênio. Vanessa tem asma desde pequena, mas fazia natação e exercícios físicos para conseguir se manter saudável, e quase nunca precisava fazer o uso da bombinha.

No entanto, há cerca de cinco anos, teve de parar de nadar devido a uma infecção crônica, que a fez perder a audição do ouvido direito. Isso a fez ficar completamente surda, já que, desde os 16 anos, não ouvia mais com o esquerdo, por causa da mesma infecção.

"Em 2018, as crises de asma começaram a ficar mais frequentes e mais fortes, e em março do mesmo ano, tive a primeira parada respiratória e fui intubada", explica. Depois disso, ela foi diagnosticada com a DPOC, e as crises, que já estavam frequentes, aumentaram e começaram a ficar ainda mais intensas.

DPOC

O médico pneumologista Alex Macedo explica que a DPOC é uma síndrome que engloba, basicamente, duas doenças: a bronquite crônica, que é a tosse crônica acompanhada por uma secreção clara por mais de dois meses; e o enfisema pulmonar, que é a destruição dos pulmões por inalação de alguma substância agressiva ao órgão.

"Cerca de 90% dos pacientes que têm a DPOC foram fumantes ou ainda estão fumando. A principal causa de inalação é a de fumaça de cigarro. A segunda causa mais comum é a de fumaça de madeira vegetal, que pode levar a uma lesão parecida com a do cigarro", relata. O especialista ainda afirma que isso acarreta em uma inflamação dos pulmões, que causa a destruição do órgão.

"À medida em que você vai perdendo a capacidade pulmonar, você vai deixando de ter áreas que fazem troca de oxigênio. Em algum momento, vai tendo aquele cansaço para fazer qualquer atividade. Depois, vai baixando a quantidade de oxigênio no sangue, e você começa a ter que fazer uso de oxigênio domiciliar", esclarece Macedo. Ele ainda destaca que são raros os casos em que a asma resulta na doença pulmonar obstrutiva crônica.

O caso da enfermeira aposentada é justamente um desses episódios raros, segundo Vanessa. "Eles [médicos] falam que, normalmente, dá a partir dos 65 anos, e eu fui diagnosticada aos 37, e também pelo fato de eu não ser fumante", afirma.

Mudança de vida

Após descobrir a doença e ter uma nova parada respiratória, em fevereiro de 2019, ela foi orientada pelos médicos a se mudar. "Morava em Ribeirão Preto [interior de São Paulo], mas, por conselho dos médicos, precisava me mudar para uma cidade onde a umidade do ar fosse mais alta, na tentativa de diminuir as crises", explica.

Então, ela decidiu seguir para Praia Grande, onde passou a ter mais qualidade de vida. No entanto, em dezembro do ano passado, pegou Covid-19, e sofreu uma nova parada respiratória, que a fez necessitar do uso de oxigênio domiciliar 24 horas por dia. Vanessa usa um cilindro antigo de oxigênio, o que a impossibilita de sair ou ter mobilidade em casa.

Agora, ela luta para conseguir comprar um concentrador de oxigênio, que tem função equivalente aos cilindros de oxigênio, porém, não necessita de recarga. O aparelho capta o ar atmosférico, concentra e encaminha aos pulmões do paciente, e por ser portátil, é de fácil instalação. O equipamento custa pouco mais de R$ 20 mil.

Para conseguir comprar, ela criou uma campanha na web e já arrecadou cerca de R$ 10 mil. "Sempre fui muito ativa, trabalhava e treinava crossfit. Agora, só saio de casa para ir ao médico, e a ambulância me leva. Com esse aparelho, eu teria uma qualidade de vida melhor", finaliza.

PORTAL  SBN 

Você acha que o presidente Jair Bolsonaro vence a eleição deste ano?

Não

Sim

Escreva 731 abaixo
Ver resultados

Deixe seu comentário

SIGA-NOS

Rádio Online

Rádio Online

Últimas Notícias

  • Bahia
  • Espírito Santo

Bahia

Espírito Santo

As mais lidas do mês

SIGA-NOS

Rádio Online

Rádio Online

Últimas Notícias

  • Bahia
  • Espírito Santo

Bahia

Espírito Santo

As mais lidas do mês